Compartilhar

Irmã Aparecida Rodrigues nasceu na cidade de Junqueirópolis, localizada no interior de São Paulo, no dia 30 de abril de 1968. Aos três anos mudou-se com os pais e irmãos para o município de Maria Helena no Paraná e posteriormente para a cidade de Santa Carmem no Mato Grosso, onde surgiu sua vocação.

Desde pequena sentia no coração uma coisa diferente quando encontrava as religiosas nas missas, mas não entendia o que era. Achava muito bonito e sabia que eram pessoas de Deus”, diz.

Irmã Aparecida teve seu primeiro contato com as Filhas de São Camilo na Escola Nossa Senhora Aparecida, administrada pela Congregação das Irmãs Missionárias do Santo Nome de Maria, onde fizeram um trabalho vocacional. Depois desse encontro, ela começou a fazer parte de um grupo de jovens com mais três meninas.

Como fruto desse trabalho vocacional, em 11 de fevereiro de 1982, foi para a casa das irmãs na cidade de SINOP – MT, onde iniciou seu Pré-Aspirantado. Depois de dois anos foi para a casa provincial em São Paulo para fazer o Aspirantado.

Neste período, sentiu em seu coração o desejo de fazer o restante de sua formação religiosa na casa mãe da Congregação na Itália. No ano de 1988 seu sonho se realizou e em 19 de março do mesmo ano começou o Postulantado, que teve duração de dois anos. Em 19 de março de 1990 ingressou no Noviciado e em 29 de setembro de 1992 fez seus primeiros votos. Irmã Aparecida viveu na Itália por nove anos. Já a sua procissão perpétua aconteceu no Brasil, na Casa Provincial, no dia 14 de julho de 1999.

Irmã Aparecida buscou se profissionalizar durante o tempo que esteve na Itália estudou Ciências Religiosas na Pontifícia Universidade Lateranense - Ecclesiae Mater, conhecida como Universidade do Papa. No Brasil, cursou enfermagem para assim poder melhor cuidar do doente. Ela já trabalhou em várias casas da Congregação e hoje assume a diretoria do Hospital Dr. Cândido Junqueira. “Eu venho disponível a ajudar as pessoas com amor e fé, pois os pacientes não precisam só cuidar da saúde. Eles também precisam ser ouvidos e acolhidos com carinho As coisas aqui no hospital já estão encaminhadas, graças às irmãs que já passaram por aqui e fizeram um belo trabalho”, ressalta.