Compartilhar

A pressão alta é uma das doenças crônicas que mais causam adoecimento e óbitos precoces no Brasil e no mundo. Felizmente, é uma doença evitável com a prevenção adequada.

Suas complicações também podem ser reduzidas caso o paciente faça o tratamento adequado. Os resultados são ainda melhores se a hipertensão arterial for identificada precocemente!

Os limites da pressão arterial normal variam conforme a idade. O nível ideal da pressão arterial é abaixo de 120/80 mmHg, o famoso “abaixo 12 por 8” que todo paciente quer ouvir. Mas nem todos os resultados acima desse valor significam hipertensão.

A última Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia definiu a hipertensão, como:

PA sistólica (PAS) maior ou igual a 140 mmHg; e/ou

PA diastólica (PAD) maior ou igual a 90 mmHg.

Esses são os valores que estão diretamente relacionados a um aumento significativo do risco das complicações que explicaremos a seguir. Eles devem estar alterados em duas medidas realizadas em dias diferentes.

No entanto, se sua pressão estiver entre 120/80 e 140/90, você pode ser considerado pré-hipertenso. Mesmo nesse intervalo, já existe um risco moderadamente aumentado de complicações.

Então, apesar de geralmente não indicar uma medicação na pré-hipertensão, seu médico vai levantar o alerta para a mudança dos seus hábitos de vida para controlar a pressão. Se você tiver outros fatores que aumentam o risco de doenças cardiovasculares, o tratamento medicamentoso pode começar ainda na fase de pré-hipertensão.

Se a hipertensão arterial tiver sido diagnosticada, o uso de medicamentos é fundamental e o paciente deve utilizá-los diariamente conforme a indicação do médico. Em todos os casos, a medicação não substitui bons hábitos de vida. Portanto, você deve manter uma rotina saudável para controlar o avanço da doença.

Sem o tratamento, a doença persiste e essa adaptação do corpo começa a falhar. Por não darem conta de uma pressão tão alta por muito tempo, algumas complicações aparecem:

INFARTOS

O excesso de pressão que o sangue faz nas artérias causa uma agressão no revestimento e nas paredes desses vasos. Isso faz com que as plaquetas (um tipo de célula do sangue) formem pequenas aglomerações (coágulos), se fixem e se acumulem na parede dos vasos (arterosclerose). Com o tempo, elas podem causar uma obstrução do fluxo de sangue para um órgão, como o próprio coração, causando o infarto.

ISQUEMIAS E DERRAMES CEREBRAIS

Um coágulo que se desprende das artérias pode se desprender, ser carregado pela corrente sanguínea e obstruir os vasos do cérebro, causando uma isquemia cerebral.

Além disso, a hipertensão arterial sistêmica também faz com que as paredes das artérias do cérebro fiquem mais frágeis, aumentando o risco de que elas se rompam e causem um sangramento dentro do sistema nervoso.

REDUÇÃO E PERDA DA FUNÇÃO RENAL

A cada dia sem tratamento da hipertensão, seus rins perdem um pouco de sua capacidade de filtragem do sangue. Com o tempo, o dano pode fazer com que ele não funcione corretamente e substâncias tóxicas se acumulem no seu organismo, provocando outras complicações. Em casos graves, é necessário que o paciente faça hemodiálise;

Uma vez que você é diagnosticado com hipertensão arterial, a pressão alta, o tratamento deve persistir por toda a vida. Essa doença não tem cura! Mesmo que você recupere níveis normais de pressão por muito tempo, a doença vai se descontrolar se você não seguir a terapia indicada pelo médico.