Compartilhar

Contrair dengue na gravidez merece atenção redobrada da futura mamãe.A doença aumenta os riscos de sangramento, queda de pressão e aborto, preferencialmente nos primeiros três meses de gestação. Já, se adquirida no último trimestre, a Dengue pode facilitar o trabalho de parto prematuro.

Durante a gravidez o organismo da mulher está diretamente voltado para o desenvolvimento do feto, o que deixa sua imunidade mais enfraquecida e corpo vulnerável ao vírus. No entanto, raramente a doença é passada para o bebê.

Os sintomas e tratamento da dengue são os mesmos de uma mulher não gestante, que são: febre alta (39° a 40°) de início abrupto com duração de até 48h, dor de cabeça, dor muscular, presença de manchas vermelhas no corpo, náusea, sinais de desmaio e dificuldade na ingestão de líquidos. Sangramentos e dor abdominal também são sinais de alerta, embora possam ser confundidos com sintomas da própria gravidez. Na dúvida, recomenda-se procurar o atendimento médico.

Aos primeiros indícios da doença a gestante deve ir imediatamente ao pronto-socorro, onde passará por um diagnóstico clínico, “prova do laço” – procedimento avalia a fragilidade do vaso sanguíneo e a tendência do paciente à hemorragia – e exame de sangue para contagem hematócitos e plaquetas. Caso a contagem esteja inferior a 150 mil, há indícios de dengue. Também é importante que ela faça um ultrassom obstétrico para checar a saúde do bebê.

A gravidade do caso e eventuais complicações é que irão determinar se a futura mãe fará o tratamento no hospital ou em casa. Mesmo retornando para sua casa, a grávida deve ser monitora diariamente. O tratamento é a base de repouso e muita hidratação.