Compartilhar

Dores no peito, taquicardia, dificuldade para respirar e muito medo de morrer. Todos esses sintomas, que podem parecer de um infarto, são algumas das características dos ataques de pânico. Porém, não é rara a confusão das crises de pânico com problemas no coração. Mas como diferenciar os sintomas?

O transtorno de pânico é caracterizado como uma doença ansiosa, ou seja, a pessoa que tem ataques de pânico apresenta crises importantes de ansiedade que muitas vezes acontecem sem motivos reais. Em geral, essas crises de ansiedade não têm um fator que a deflagra. A pessoa pode estar em um ambiente calmo, tranquilo e mesmo assim apresentar uma grave crise de pânico. Durante uma crise um indivíduo pode ter sintomas como taquicardia, dificuldade para respirar e tremores, que são os sintomas físicos. Mas também existem sintomas psíquicos, como sensação de morte eminente, uma angustia muito grande e muito medo.

Síndrome do pânico

A síndrome do pânico, ou transtorno de pânico, é caracterizada pela presença recorrente de crises de ansiedade. A característica principal do transtorno são as crises esporádicas que duram alguns minutos e têm forte intensidade. É importante se atentar que uma pessoa pode ter uma crise em determinada situação e não ter um transtorno de pânico. Nesse caso, o que identifica a síndrome são as crises recorrentes.

Quando procurar o serviço de saúde?

Quando se trata de uma crise esporádica, não é necessário ir ao serviço de saúde. Mas, quando as crises são recorrentes, é importante procurar atenção médica para começar o tratamento. Existem medicamentos para auxiliar nesse transtorno, em geral são utilizados antidepressivos, que apesar do nome e serem usados no tratamento da depressão também são utilizados com bastante sucesso no tratamento do transtorno de pânico. E existem também tratamentos de outras ordens, que também podem ajudar.

É importante que pessoas com transtorno de pânico procurem tratamento para que os sintomas não piorem, já que é comum apresentar outros transtornos mentais simultâneos. Não é incomum que pessoas com transtorno de pânico também apresentem quadros depressivos e algumas fobias. Por exemplo, pessoas que têm transtorno de pânico sem tratamento podem apresentar o que se chamamos de agorafobia. Que é uma dificuldade de se expor a situações onde ele acha que ele pode ter um ataque de pânico e não ter um acolhimento, não ter um cuidado especifico. O indivíduo começa a ficar mais isolado, com dificuldade de sair porque ele acredita que pode ter um ataque a qualquer momento.

O SUS disponibiliza assistência psicológica aos pacientes e seus familiares por meio da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Se precisar de ajuda, procure o CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) ou uma unidade de saúde da sua cidade.

Com Informações: Ministério da Saúde