Compartilhar

Caiu e torceu o pé? Está sentindo palpitações intensas no coração, ou não para de vomitar e está com muita febre? Esse é momento de correr para a Unidade de Pronto Atendimento mais próxima. Mas se está com aquela dor de cabeça chata que incomoda em grande parte do dia, ou se precisa saber como está seu nível de açúcar no sangue, está resfriado, ou mesmo trocar um curativo, o lugar ideal é a Unidade Básica de Saúde (UBS), popularmente conhecida como posto de saúde ou postinho.

Acontece que nem sempre é fácil saber qual serviço de saúde procurar. Conhecer o tipo de assistência oferecida em cada um deles, lhe ajuda a poupar tempo e receber o atendimento adequado.

Quando procurar a UBS?

As Unidades Básicas de Saúde oferecem os serviços que englobam a Atenção Primária, que nada mais é do que a primeira atenção prestada – exceto em casos de urgências e emergências como acidentes de trânsito ou sinais de infarto, por exemplo. São elas que devem ser procuradas em casos de diarreia, dor de cabeça, resfriado ou gripe, escoriações por queda (por exemplo, um joelho ralado, ou pequenos cortes). Também é lá que os usuários com doenças crônicas – como hipertensão e diabetes – recebem tratamento e acompanhamento multiprofissional (médico, enfermeiro, nutricionista...).

As Unidades também oferecem vacinação, acompanhamento pré-natal e pós-parto, consultas com médicos e enfermeiros, oficinas de planejamento familiar, exercícios físicos, alimentação saudável e outros.

Quando procurar a UPA?

Diferente das Unidades Básicas de Saúde, os Pronto Atendimento (UPA) têm atendimento 24 horas e só devem ser buscadas em casos de urgência classificados como quadros agudos (febre alta, desmaio, dores de cabeça intensa...) ou crônicos agudizados (hipertenso com pressão muito alta, diabéticos em descompensação...). Na unidade, esses usuários recebem os primeiros atendimentos até que sejam considerados estáveis para um possível encaminhamento para o hospital, se necessário.

Ao chegar, o usuário é classificado de acordo com o grau risco do quadro de saúde atual. Pacientes mais graves, com risco de morte, têm prioridade no atendimento. A classificação de risco é feita por meio de cores:

VERMELHA – Emergência

LARANJA – Muito urgente

AMARELA – Urgente

VERDE – Pouco Urgente

AZUL – Pouco Urgente

Uma vez que o atendimento foi feito e o paciente está estável – ou seja, não corre mais risco de morte – os profissionais avaliam se há possibilidade de retornar para a casa (para ser acompanhado pela Unidade Básica de Saúde), ou se precisa ser internado.

Com informações: Ministério da Saúde